quarta-feira, 5 de julho de 2017

Salve-se

Salve-se quem puser
Os pés no chão
E instrumentos de paz quaisquer
Ao alcance da mão
Salve-se quem quiser
Ouvir o coração
Para ser o que se é
Desde a conexão
Salve-se quem puder
Estar na direção
Da filosofia, da fé
E da poesia em ebulição.





domingo, 2 de julho de 2017

Eu até penso

Eu até penso
Que papel toalha
Possa ser chapéu de palha
Na falta de silêncio
Causada pela navalha
Que ceifa o sossego,
O asfalto e  a calçada
E que se chama britadeira
Em plena véspera de segunda-feira.