quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Segundo as escrituras

Antes que vire depois
Não sonho mais em me perder
Somos além de nós
Para ninguém se prender

À base de pés e asas
Em vez de motor
À prova d' água
Em pleno vôo

Fortuna já madura
Segura o cavalo
Segundo as escrituras
Mais no talento do que no talo

Nunca doerá a quem doar
Um pouco do seu baú
Pois sabe que do ar
Todo tesouro é um.

Um comentário:

Gabriele Fidalgo disse...

Toda palavra é válida.
para quem sabe ler, é claro.

vi isso presente aqui.

beijos!