quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Do sumo ao sugo

Aquieto meu coração
Contando os dias que destacam
A camisa e a toalha
Do pano de chão

Depois eu me enxugo
Com os mesmos trajes
O tempo aguarda e age
Do sumo ao sugo

Distraio minha mente toda
Pesquisando músicas
Dissipando dúvidas
Para adquirir outras

E eu me indago
Por qualquer ultraje
Meu ou da paisagem
Para ficar mais magro.

Um comentário:

caio carmacho disse...

tomando de assalto, essa vai pro noutra.

abração muleque!