terça-feira, 10 de novembro de 2009

Um som de sonho

Uma imagem invisível
Um cheiro de fulgor
Um sabor difícil
Para quem se afogou
Apesar do sal

Um roteiro indômito
Um toque de mar
Um som de sonho
Para quem saiu do ar
Devido ao comercial.

3 comentários:

Marcelo Mayer disse...

um poema sem poesia e um roteiro sem enredo. um sonho lisérgico

Fabricio Fortes disse...

É na poesia que as imagens invisíveis podem ser observadas. Só na poesia.
abraço, Cabra!

Lívia Gomes |g* disse...

Ácido doce...
frio no quente
mutável enquanto sonho!
Essência do viver!

;D

Abç