terça-feira, 17 de maio de 2011

Para ficar mais perto

Ao passo que a minha alma caminha
Tendo a carcaça e a bruma maciça
Como quase imutáveis companhias
Vou me dopar e me topar naquela esquina
Para ficar mais perto dos breus

Confesso que eu me esqueço
Do sol que tenho aqui dentro
Para dissipar o nevoeiro
Serve também o vento
Para ficar mais perto dos céus

Enquanto ando
Ainda que sonâmbulo
Vou tateando
O que sonho tanto
Para ficar mais perto de Deus.

Um comentário: