segunda-feira, 2 de abril de 2007

Amnésias e paranóias

Eu não me recordo
Se o meu representante
Fez uma espécie de acordo
Com alguma candidata à gestante

Eu não me rememoro
De ter negociado meu nascimento
Mas hoje não passa de um dia remoto
Entre primeiro de janeiro e trinta e um de dezembro

Amnésias à parte
Já que estou aqui
Preciso fazer arte
Pra me salvar de mim

Paranóias de lado
Eu estou tão certo
Quanto amedrontado
Do meu amor concreto.

4 comentários:

Diogo Lyra disse...

Muito foda Tchello!!
Pô, eses dias mesmo eu indiquei teu blog para um camarada poeta da blogosfera e ele se amarrou. Até colocou o "Pô, é Zia" na lista de links!!!
O nome dele é Fabrício FOrtes, do blog Notas Sujas. PAssa por lá, eu acho que vc vai gostar dos escritos dele tb!

http://notasujas.blogspot.com/

Anônimo disse...

minha opção.
amo mt.
sempre.
bj de mate fraquiiiinho

entre o anonimato e a fama disse...

Tudo bem q eu não sou famosa, mas anônima tb não, né?
huahauhauhauhuahuaha!
bjo-trinquinha!

Caio Carmacho disse...

latitudinousu!