quinta-feira, 17 de junho de 2010

Sempre depois

Sempre depois que sobra mês
Eu perco a direção
E quase saio dos trilhos

Sempre depois que sopram vocês
Eu lhes dou atenção
E danço intranquilo

Sempre depois me soca a sensatez
Ou então uma náufraga razão
Onde de mim eu me ilho.

Um comentário:

Isabella disse...

"Sempre depois me soca a sensatez
Ou então uma náufraga razão
Onde de mim eu me ilho"

Nossa!To pensando nas milhões de razões q já naufragaram na minha vida! Todo dia, precisamos sair da sonífera ilha!
Vida escrita em linhas portas janelas
Nunca feche essas, por favor! são maravilhosos!!!todos, amei!
bjo grande!!!
Bella