sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Do dote ao totem

Despertos os espíritos
Para que não devotem
Os tontos e os cínicos
Do dote ao totem

Incertos os poetas
Para que denotem
Broncos e profetas
Da sorte e do norte

Abertos os frascos
Para que extrapolem
Os sonhos e os fiascos
De porre em pólen.

Um comentário:

Cláudia I. Vetter disse...

redondas presenças
o dote mandala
da lua.

;)